Meninos, meninos, meninos: o cachê em ascensão da moda masculina na Copenhagen Fashion Week

Em uma conferência de imprensa para dar início à Copenhagen Fashion Week ontem, entre aqueles que representam os interesses da moda na capital dinamarquesa (CEO do CPHFW Eva Kruse e o Ministro de Relações Exteriores da Dinamarca, Kristian Jensen) estava Adam El-Zayat Hjorth, chefe de vendas e marketing para roupas masculinas em ascensão etiqueta Tonsure. Enquanto o show da marca estava prestes a começar em menos de uma hora lá embaixo, a presença de El-Zayat Hjorth na conferência foi significativa: a coleção outono 2016 da Tonsure marca apenas a segunda vez em uma década de existência (esta sendo uma temporada de aniversário) que um estilista masculino deu início aos shows. De fato, como a moda dinamarquesa dá uma aposta mais concentrada para ter destaque no cenário global, roupas para os meninos podem ser uma de suas apostas mais inteligentes. Não é segredo que a moda masculina é um mercado em ascensão; há cinco anos, seu crescimento ultrapassou o das marcas femininas. O próprio El-Zayat Hjorth destacou a importância de reconhecer a marca como um negócio e não como um objeto de frivolidade. Isso pode parecer um fato em Nova York ou Paris, mas tem-se a impressão de que, digamos, na Dinamarca, ainda é um ponto que vale a pena repetir.

Jibaku shounen hanako-kun 2ª temporada

Duas marcas ontem, Tonsure e Han Kjøbenhavn, ofereceram uma prova evidente de que a roupa masculina dinamarquesa é uma força a ser reconhecida, ambas atingindo um forte equilíbrio entre experimentação e apelo comercial. Tonsure, em contraste com o esplendor da Prefeitura, mostrou uma linha de estilos de aparência moderna, repleta de um motivo de tapetes persas que apareceram como amostras em camisas e agasalhos. Mais tarde, à noite, Han Kjøbenhavn atraiu convidados para a infame cidade livre de Christiania (fundada por boêmios em 1971), apresentando seu show na cavernosa sala de concertos The Gray Hall. A encenação sem dúvida roubou a noite, com modelos mascarados de Bane desfilando debaixo de um ursinho de pelúcia decididamente deselegante e cheio de histórias, antes de tomarem seus lugares em sinistros tubos de alimentação de PVC. Essa teatralidade desmentia muito o uso das próprias roupas. Suavemente tingidos de rua, esses estilos vieram marcados por uma espécie de qualidade desequilibrada, quase da era soviética: jaquetas de corrida remendadas, jeans cinza de lavagem ácida e vários pares de calças de moletom roxas elásticas perversamente descoladas.