Relembrando Gabriel García Márquez 1927 - 2014

Gabriel García Márquez, o autor colombiano vencedor do Prêmio Nobel de romances amados como Cem anos de Solidão, faleceu hoje aos 87 anos, em sua casa na Cidade do México. Ele era mais reverenciado por sua ficção - os romances Amor em Tempos de cólera e Outono do patriarca estão entre seus numerosos livros que popularizaram o realismo mágico na literatura. Ele também foi celebrado por seu jornalismo, incluindo seu chocante Notícias de um sequestro, que narrava os anos sangrentos da guerra às drogas em seu país natal. Sua morte marca o falecimento de um dos mais conhecidos autores latino-americanos e a perda dos melhores escritores do mundo. Aqui, de nossa edição de dezembro de 2003, uma exploração das memórias de García Márquez, Viver para contar a história _._

Naturalmente, ele teve uma infância colorida: dez irmãos, um papagaio de estimação de 100 anos, um avô atormentado pelo remorso por ter matado um homem em um duelo. É um privilégio explorar, por fim, as lembranças de Gabriel García Márquez, um homem cujo mundo imaginário está vividamente gravado em nossa memória há quatro décadas. Viver para contar a história (Knopf), o primeiro de três episódios nas tão esperadas memórias do homem de 76 anos, ecoa alguns de seus melhores trabalhos ao atingir incontáveis ​​notas de luto, mas canta mais alto de alegria.



O pai do jovem Gabo era um sonhador jovial, descobrimos, que encontrou a válvula de escape certa para seu gênio apenas uma vez na vida, cortejando sua futura noiva com a persistência e a sagacidade de um herói lendário. A família da jovem lutou contra o namoro e o levou à clandestinidade. Sua perseverança inspirou o romance mais bonito de García Márquez, Amor em Tempos de cólera, enquanto as qualidades arquetípicas que ele atribui afetuosamente aqui a seus pais (um pai que adora o conhecimento, uma mãe que é praticamente psíquica e forte como uma leoa) lembram o patriarca e a matriarca em Cem anos de Solidão. O autor passou grande parte de sua infância aos cuidados de avós morbidamente nostálgicos em uma cidade devastada pelo massacre de trabalhadores da banana um ano após seu nascimento. Sem se aprofundar (ele é, afinal, um mitólogo melhor do que um psicólogo), García Márquez dá a entender que a instabilidade lhe causava pesadelos. Ele foi mandado para a escola, onde seus pais oraram para que ele se tornasse advogado. Mas ele tinha um jeito, à medida que crescia, de atrair mentores que viam suas roupas amarrotadas, sua grafia terrível e sua extraordinária sintonização sensorial ('Bebi bebidas com gosto de janela', lembra ele, e 'pão velho com gosto de tronco') e o guiou em direção ao seu destino óbvio como artista.





Este é um livro enganoso - tal é a ordem narrativa de GarcÍa Márquez que o que a princípio parece escrito casualmente acaba sendo altamente projetado e bastante astuto sobre o que faz e não revela. Os capítulos do meio podem desafiar leitores não versados ​​na cultura latino-americana, como GarcÍa Márquez se descreve de forma picaresca e um tanto repetitiva vagando entre diferentes cidades colombianas, sempre encontrando trabalho como jornalista e fazendo amizade com boêmios, patronos influentes e coração de vilões de ouro e prostitutas. “Eles nunca entenderam por que eu tantas vezes não tinha peso e meio para dormir”, escreve ele, “e mesmo assim pessoas muito elegantes vinham me buscar em limusines oficiais”. Mas quando ele chega aos 20 anos ainda inseguro de si mesmo, e quando a Colômbia começa sua dolorosa queda na violência política, a urgência no título do livro transparece. Quando seu pai implora por ajuda financeira, o filho obediente desiste de seu emprego como colunista (pela enésima vez), volta a morar com os pais e quase enlouquece de tanto esforço. “'Se todos nós vamos nos afogar', eu disse no almoço em um dia decisivo, 'deixe-me salvar a mim mesma para que eu possa pelo menos tentar enviar-lhe um bote salva-vidas.'”

É um primeiro passo em direção ao destino. Ele passa a fazer jornalismo inovador, incluindo uma série de artigos instantaneamente famosos escritos do ponto de vista de um marinheiro naufragado. Ele começa a compreender a riqueza de sua infância repleta de histórias ancestrais e de seu país triste, sem lei e magnífico. Perto do final de Vivendo para contar a história, GarcÍa Márquez nos dá um vislumbre tentador da escrita de cem anos de Solidão durante um período febril na Cidade do México. Por um ano, ele se permitiu ouvir apenas dois discos no aparelho de som: os prelúdios de Debussy e Noite de um dia difícil. Acompanhamentos perfeitos, ambos, para o escritor que nos lembrou que a grande ficção não é erudita nem vulgar, mas universal. Mas isso está adiantando a história. O jovem no final desta edição continua a ganhar confiança, com destino à Europa, à espera da resposta a uma tortuosa declaração de amor. O melhor está por vir.



Este artigo apareceu originalmente na edição de dezembro de 2003 da Voga.